Comentário de Contracapa / Backcover commentary

no livro Autobiografias do Outro” de Márcio Andrade

on the book ” Autobiografias do Outro ” by Márcio Andrade

capa_marcio.jpg

Num penetrável de Oiticica o corpo-visão do participante se encontrava com palavras-força: “A pureza é um mito”.

Na Estetyka do Sonho, Glauber convoca os corpos subalternos a superarem sua condição “O Povo é o mito da burguesia”.

Nessas Autobiografias do Outro a dimensão individual se pensa através de filmes cujas imagens partem de vivências fortemente mediadas pelo entorno digital. “O homem vivência, desde já, em função de determinado objeto”.

O objeto aqui é própria imagem-técnica advinda/destinada a um contexto de auto-vigilância e espetacularização de si.

A democracia da imagem do mostrar/ver substituída por um lógica autoritária do promover/receber. Imagens pobres operadas numa “estética do descuido” dão vida aos diversos perfis de uma pessoa só, abrem espaço para uma forma de individuação dividual, partida.Vida de perfis.

No texto -nas entrelinhas entre ele e os filmes- emerge uma interessante idéia, no século do selfie: A pessoa é um mito.

Baixar o livro / Download the book ( portuguese only) :

https://combomultimidia.files.wordpress.com/2014/02/autobiografias-do-outro-mc3a1rcio-andrade.pdf